AÇÃO IRRESPONSAVEL DE TRÂNSITO

Sargento da Marinha DIEGO GOMES morre em acidente fatídico de trânsito.

A irresponsabilidade do surfista FELIPE CESARANO que estava embriagado ao volante deixa de luto família, amigos e toda corporação naval.

whatsappblack.png
  • Facebook
  • Twitter

O Sargento da Marinha do Brasil DIEGO GOMES morreu nesta sexta feira quanto trafegava com seu carro abalroado por veiculo em direção contraria que invadiu a sua pista e colidiu de frente. O Sargento veio a óbito no local.

O autor do acidente, o surfista FELIPE CESARANO, conhecido como GORDO é profissional de altas ondas com reconhecimento publico no meio esportivo.

Causou estranheza a atitude do surfista que embora tenha reconhecido ter consumido bebidas alcoólicas, esboçar sorriso em meio a dor da perda de uma vida que deixa esposa (casados a 13 anos) e um filho.

Mais estranho ainda foi a decisão do juiz uma vez que o ato e sua consequência já seriam fatores mais do que suficientes para a manutenção da prisão preventiva do infrator. 

 

No entanto, o juiz atendeu o Ministério Publico e soltou o infrator sob acusação de delito culposo o qual não esta inserido no rol de prisão preventiva. 

 

É a lei se contradizendo e anulando de acordo com o interesse e avaliação das partes o que pode e o que não pode. 

O MILITAR ERA CASADO A 13 ANOS (FOTO COM A ESPOSA PATRICIA) E ESTAVA JÁ A 18 ANOS EM PLENO SERVIÇO ATIVO NA MARINHA DO BRASIL. DEIXA FILHO E UM SONHO INTERROMPIDO DE FORMA TRÁGICA

O ACIDENTE GEROU COMOÇÃO EM TODO O BRASIL E MAIS UMA VEZ GERA INDIGNAÇÃO OS MEIOS DISPONIBILIZADOS PELA JUSTIÇA QUE AO FINAL LIVRAM DA CADEIA PESSOAS DE ALTA INFLUÊNCIA SOCIAL. É por isso que a irmã do Sargento desabafou ao afirmar: SE NÃO FOR FEITA A JUSTIÇA DOS HOMENS CREMOS NA JUSTIÇA DO SENHOR!

O surfista que é conhecido como GORDO é um profissional de altas ondas e respeitado no mundo dos esportes, porém sua atitude após o acidente mancha de forma contundente sua carreira após constatação de embriagues ao volante e de seu debocho criticado pelo Delegado que lavrou a prisão em flagrante.

Algumas horas depois, Gordo foi solto por determinação judicial. Segundo o juiz Alex Quaresma Ravache, do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ), embora a conduta de Cesarano, segundo a legislação brasileira o delito é culposo, não estando inserido no rol de crimes com prisão preventiva.  

No entanto, deverá ter liberdade restritiva, ficando impedido de frequentar locais como boates e restaurantes e sem poder consumir bebidas alcoólicas e dirigir veículos automotores.

O SILÊNCIO NAVAL

 

Apesar da alta repercussão do acidente envolvendo um militar graduado da ativa, até o presente momento em nenhum meio de circulação de noticias ou mesmo no seu site ou twitter, o setor de Relações Públicas da Marinha ou mesmo o Comando da Organização Militar onde o militar estava servindo emitiu qualquer parecer sobre o acidente.

 

Em um silêncio sepulcral, autoridades lidam como se nada tivesse acontecido e sequer dão algum parecer de sentimento de luto ou pesar a família, parentes e amigos, quiçá a sociedade que participa e sofre com tal situação.

 

Esta na hora das FFAA, reverem seus conceitos e melhor avaliarem suas posições em prol dos seus militares. A sensação que pesa é que a farda ignora seus pares e os deixa a deriva bem como, seus familiares em momento de sofrimento e dor.