A SUA REVISTA POLÍTICA

NEWS

PARTIDO MILITAR BRASILEIRO

Uma pergunta suscita e palpita no seio das casernas:

POR ONDE ANDA O PARTIDO MILITAR?

Depois que foi dada a entrada no STF pelo Presidente Nacional do propenso Partido Militar Brasileiro Deputado Augusto Rosa, os grupos de Rede virtual foram misteriosamente apagados e presidentes municipais ficaram sem rumo e resposta sobre o PMBR 

whatsappblack.png
  • Facebook
  • Twitter

A verdade é que nenhum programa ou ação imaginário à época dos meados de 2010, mexeria tanto com os militares quanto a noticia de que estava em andamento a criação do primeiro partido de direita do Brasil.

A foto de Bolsonaro assinando a Ficha de Apoiamento  fortalecia ainda mais a tão sonhada bancada de direita brasileira.

Essa possibilidade de um partido composto por militares, provocou os demais partidos existentes, todos em sua maioria com formação de esquerda. 

A viabilidade de um partido de direita, chamava a atenção em face do risco da do mesmo se tornar um partido de extrema direita, o que assustava e muito a esquerda rodeada de escândalos. 

Cogitava-se até mesmo ser considerado inconstitucional, uma vez que militares da ativa não podem aderir a partidos mais mexer na impossibilidade constitucional de criação de tal partido, preocupava em face dos brios da caserna, exaltada pela criação de um novo partido sem estar atrelado a maquina politica e totalmente independente, ardia em corações fardados e civis adeptos do conservadorismo prometido pelo novo partido voltado para a família e as tradições culturais, entre elas a religiosa.

Assim, sob o olhar atento de uma esquerda preocupada, seguia a gestação tão prometida através do recolhimento de Fichas de Apoiamento.

REGIÃO DOS LAGOS

+ de 20000 (vinte mil)

Fichas Apoiamento

COORDENAÇÃO DA REGIÃO DOS LAGOS

EDSON PRES. CABO FRIO, DIOGO PADILHA S.P. DA ALDEIA, SIMONE VICE PRESIDENTE DE IGUABA GRANDE, ROBERTO FERRAZ PRESIDENTE DE ARRAIAL DO CABO E SERGIO LUIZ COORDENADOR GERAL DA REGIÃO DOS LAGOS

O RÁPIDO CRESCIMENTO DO PARTIDO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

 

Tão logo corria a noticia e o PMBR já acolhia veteranos interessados em todo o país, porém a eclosão principal foi configurada no Estado do Rio de Janeiro e São Paulo, com posterior adesão em outros estados do norte do país.

No estado do Rio de Janeiro, logo surgiram interessados na assunção de Diretórios Municipais com destaque para a Capital da Cidade do Rio de Janeiro, Araruama, São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Iguaba Grande, Arraial do Cabo entre outros municípios que em prazo recorde constituíram diretorias e desenvolveram atividades de recolhimento de FA (Ficas de Apoiamento) documento necessário de assinatura voluntária para homologação do partido.

O crescimento foi tão grande que o diretório estadual criou Coordenadores Regionais como o da Região dos Lagos sob a competência do Veterano Sergio Luiz.

CAPITAL DO RIO

+ de 20000 (vinte mil)

Fichas Apoiamento

Com a Capital do Rio não seria diferente. Convidado pela Estadual, assumiu por todo o período de sua vigência o Veterano Paulo Santos que com uma equipe ferrenha e determinada saiu as ruas em busca de recolhimento de Fichas.

Já era comum nos eventos de Fora Dilma nas praias de Copacabana, a equipe do Bispo Paulo Santos, já no principio de sua enfermidade, colhendo assinaturas de apoiamento da sociedade participativa.

Foram contribuições decisivas e significativas somando a capital do Rio de Janeiro as demais municipais um numero significativo de assinaturas

O PMBR RIO tinha em sua composição municipal Fernando Pais Secretário, Comandante RRM (MB) Marcio Rosário Vice Presidente, Roberval e Gerson Maciel Assessores, Marcelo Falcão apoiador, Nora Pais, Regina Paixão Serviço Social. Jansen Chagas e Thais Jeanne Depto de Marketing.

BISPO PAULO SANTOS PARTICIPOU DE DIVERSOS EVENTOS SOCIAIS E OFICIAIS COMO PRESIDENTE DO PARTIDO MILITAR - PMBR RIO COM AUTORIDADES EXECUTIVAS DO PMBR.

O objetivo era levar o nome do PMBR as autoridades e empresários apoiadores de um Partido de Direita. Na foto, personalidades e diretores executivos do PMBR RJ/RIO como Cel. Alves, Cel. Heraldo, Empresário Tostão e Rafhael entre outros presentes ao evento.

Em seu ultimo pronunciamento sobre os militares, o Deputado Federal ofendeu publicamente as FFAA pelo fato de um simples soldado ter questionado a PMERJ. Embora o militar tenha se desculpado posteriormente, Augusto Rosa ofendeu toda a tropa afirmando que o Exercito era tropa apenas de quarteis e que servia apenas para passear de caminhões pelas ruas da cidade.

 

PARA ALGUNS ESSA ATITUDE JUSTIFICA O PORQUE DELE NUNCA TER FEITO NADA PELA CATEGORIA MILITAR EM SEUS DIREITOS NO PLENÁRIO.

O Partido Militar tinha como Presidente Nacional o Deputado Augusto Rosa (PMESP), que sempre prometia transparência aos diretores e membros porém, sem nenhuma explicação plausível, acabou com toda a infraestrutura de repasse de informações sobre o andamento da homologação partidária.

Em sua ultima informação gravada em vídeo, Augusto Rosa noticiava que havia dado entrada na solicitação de homologação do Partido Militar.

Em toda a sua gestão como deputado, nunca demonstrou interesse em apresentar pautas de interesse aos militares das forças armadas. Os presidente municipais do Rio quando questionavam a estadual ou solicitavam permissão para questionar a nacional eram tolhidos e convencidos a não fazê-lo por quebrar a hierarquia militar que permeava a ideologia do partido.

Segundo alguns veteranos, o partido caminhava para uma ditatura militar com seus executivos sendo obrigados a atenderem as constantes solicitações de assinaturas cada vez maiores e menos satisfações os quais deveriam estar sempre obedientes as determinações em vigor. O regime do PMBR era de verdadeiro autoritarismo o que levou segundo alguns diretores diversos membros a abandonarem o partido militar. Quem não concordava era convidado a deixar o partido.

A ultima manifestação do Deputado Augusto Rosa surgiu na disputa do numero 38 e justamente com o partido Aliança do presidente Jair Bolsonaro no final de 2019. Augusto estava sem se manifestar a respeito do Partido Militar desde que havia dado entrada no Partido no TSE, deixando todos os diretores municipais sem nenhuma posição sobre o partido. Repentinamente o Partido Militar voltou a tônica de forma inesperada deixando a todos perplexos diz um dos que foram diretores  executivos municipais. Afinal o partido militar esta vivo ou esta morto?

ESTADUAL RJ

A ESCOLHA DE UM CANDIDATO DA CLASSE

Após os fracassos anteriores referentes a homologação do PMBR e a eleição de candidato próprio , a Estadual do RJ, efetuou uma reunião e decidiu apoiar um pseudo militar em projeção no município de São João de Meriti. conhecido como Prof Josiel.

Este comprometia-se a visitar todos os municípios e assumir o compromisso de abraçar em sendo eleito deputado a bandeira de desenterrar o PMBR em Brasília.

Com essa promessa foi eleito Deputado Federal com mais de 30.000 votos em todo o estado.

Finalmente nascia a tão sonhada esperança dos militares.

A FACADA!

Segundo testemunhas oficiais, tão logo eleito, fatos estranhos começaram a acontecer. Os grupos de whatsapp até então, meios de comunicação oficial souberam que somente a executiva estadual tinha sido nomeada para assessoramento do Professor Josiel em Brasilia e as reclamações e questionamentos começaram a surgir e consequentemente, os grupos sem justo motivo começaram a ser desativados e os presidentes municipais simplesmente deixando de existir, ficaram sem nenhum contato com a executiva estadual.

Misteriosamente, de igual forma a executiva estadual deixava de existir com seus diretores (Presidente Estadual Gerson Paulo, Vice Presidente Estadual Clayton Motta, Capitão de Fragata RRM Frederico Viegas, Gusmão Coordenador Geral) entre outros para assumir agora altas funções legislativas deixando de fora, centenas de apoiadores que sem explicação se sentiram usados e relegados a segundo plano.

Da mesma forma que as Executivas Estadual e Municipal eram os representantes oficiais no estado do partido, da noite para o dia deixaram de existir e o nome PMBR foi deixado ao relento e esquecido como se nunca tivesse existido.

Embora seja um politico de articulação fácil, com farto e notório saber, é um esquecido e infiel segundo militares que o tratam como TRAIDOR!

Nas ultima eleições amargou um 3º lugar na disputa pela prefeitura de São João de Meriti, a menina dos seus olhos e seu sonhado desejo de administrador. Resta agora, fechar dois anos de mandato e desta feita, sem o apoio dos militares e das municipais que o ajudaram a se eleger.

Segundos fontes especiais, dispensou o apoio dos que o assessoravam do antigo PMBR, por ter se sentido usado e hoje conta apenas com seu assessor e amigo Alan Feijó. Isolado, seu futuro politico hoje é uma incógnita.

SEGUNDO VETERANOS NENHUMA REUNIÃO FOI FEITA PARA ESCOLHA OU INDICAÇÕES DE NOMES. A EXECUTIVA ESTADUAL SIMPLESMENTE ESCOLHEU QUEM SERIAM OS NOMES QUE IRIAM PARA BRASILIA E ESTES SUMIRAM EM SUAS NOVAS ATIVIDADES.

ATÉ HOJE, NENHUMA INFORMAÇÃO REFERENTE AO PARTIDO MILITAR FOI REPASSADO AOS PRESIDENTES MUNICIPAIS QUE INDEPENDENTE DE TEREM SIDOS EMPOSSADOS, LOGO FORAM ESQUECIDOS E ABANDONADOS PELOS SEUS SUPERIORES AGORA EM NOVOS CARGOS COMISSIONADOS.

PARA ALGUNS, O PROBLEMA NÃO FOI OS CARGOS OU MESMO OS ALTOS SALARIOS MAIS A PROMESSA DE QUE SE ELEITO FARIA ALGO PELOS MILITARES MAIS INFELIZMENTE O ESQUECIMENTO FOI A FACADA QUE TODOS NÃO ESPERAVAM RECEBER!

EM EVENTO OFICIAL PRESIDENTES MUNICIPAIS DE TODO O ESTADO DO RIO FORAM RECONHECIDOS OFICIALMENTE EM NOITE DE GALA

O evento segundo registro enviado por testemunhas ao evento ocorreu em Setembro/2017 no Clube Municipal Tijuca na Zona Norte do Rio. Na ocasião, todos os que exerciam atividades de presidentes e contribuíram de forma significativa com a homologação do partido foram homologados e reconhecidos oficialmente.