A SUA REVISTA POLÍTICA

NEWS

PRESIDENTE DE ASSOCIAÇÃO ESCLARECE!

SOMENTE AÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE

PODE ALTERAR A LEI 13.954/19 

AGEU - Presidente da APMB

Indo na contramão dos demais segmentos, O Presidente da ABBMP abriu o jogo e expôs de forma frança e objetiva a realidade de uma queda de braço entre lideranças sobre a Lei 13.954/19. 

"Bira" como é carinhosamente tratado por muitos presidentes de Associação e Lideranças próximas, reconhece o distanciamento criado entre os praças e o planalto e não nega que a proximidade do generalato nos corredores palacianos dificulta a aproximação da tropa com o Presidente.

Segundo ele, essa blindagem tem seu lado positivo e negativo mais prefere deixar ao futuro o julgamento correto.

No entanto, muito questionado atualmente pelo fato de ser presidente de uma associação de peso e membro de um grupo de associações (UVEMB, AMARPF, APMB e muito próximo a lideranças politicas como Dr. George (O Olavo dos militares), entre outros, emitiu um vídeo esclarecedor com opinião contundente sobre a atual realidade que vem dividindo os militares graduados praças e suas representações no cenário politico atual.

Por um lado, lideranças debatem as alterações dos pontos divergentes da Lei 13.954/19. De outro, aqueles que acreditam que pontos podem ser decididos por uma canetada do PRESREP ou seja, por emissão de decreto presidencial.

Por outro lado, o Planalto já bateu o martelo dizendo pelos porta-vozes do planalto que a Lei não pode ser mudada por já estar sancionada e que decretos sobre aumento não podem ser expedidos pelo fato da existência da pandemia o que fere a legislação atual.

CELSO - Presidente da UVEMB

GENIVALDO - Presidente da AMARPF

Vitor Hugo Deputado Federal

Izalci Senador da República

A VOZ DOS VETERANOS MILITARES PRAÇAS 

O descontentamento dos militares graduados praças começou ainda na época da PL 1645, quando pautas de interesse da classe foram retiradas da PL a fim de dar celeridade a sua aprovação. Em contrapartida, segundo à época o Senador Izalci afirmou que o Governo receberia a tropa em reunião para atendimento às suas solicitações. Hoje, essa é a cobrança tanto do Senador e de parte da liderança da tropa que o apoia, que o planalto receba as essas lideranças em reuniões.

Após muita insistência, parlamentares que apoiam a causa dos militares (Senadores Major Olímpio e Izalci e o Deputado Líder do Governo na Câmara Major Vitor Hugo) reuniram-se com o Secretário General Ramos no planalto para serem ouvidos porém, lideres de associações reclamam que nem todos foram convidados e os que foram, sequer foram citados pelo secretario do governo.

Segundo alguns entendidos do segmento militar, o impasse  criado pela Lei 13.954/19, não permitirá por questão de ética que oficiais generais sentem em mesa de reunião com praças para decidirem acordos. Nas questões militares funciona o "SIM SENHOR" o que já não acontece com os políticos eleitos. 

Segundo alguns graduados líderes, generais no poder constam como parte de composição política e não como comandante de quarteis onde parte-se do principio regula as ações dentro da Hierarquia e da disciplina.

- É impossível que generais no governo sejam simultaneamente comandantes pra uns e políticos para outros. Isto fere a Constituição Federal a qual eles mesmos se auto-declaram defensores afirma um veterano militar.

LIDERANÇAS MANIFESTAM-SE PUBLICAMENTE

O Presidente UBIRAJARA ROCHA sai na frente e apresenta um vídeo que esta atingindo relevância nas postagens por sua clareza e objetividade em falar realmente os meios disponíveis que os militares podem recorrer.