A SUA REVISTA POLÍTICA

NEWS

SARGENTO DO QESM PEDE SOCORRO AO SENADO

VICE LÍDER NACIONAL DOS LIDERANÇAS REGIONAIS ENVIA DOCUMENTO EM NOME DO LID REG AOS SENADORES SOLICITANDO ATENÇÃO ESPECIAL A CATEGORIA. MILITAR ALEGA SUPERENDIVIDAMENTO EM CONTRA CHEQUE

whatsappblack.png
  • Facebook
  • Twitter

UM PEDIDO DE SOCORRO POLÍTICO

Sargento Veterano do Quadro Especial da Marinha e Vice Líder Nacional do Lideranças Regionais (Grupo de Militares de vários estados e municípios com suas lideranças e representantes em luta pela desigualdade e reposição de direitos constitucionais), enviou nesta quinta (25), um documento oficial onde relata a situação drástica que vivem milhares de militares das Forças Armadas em face dos descontos consignados efetuados com juros altíssimos e com descontos ininterruptos, mesmo com o pais e o mundo em estado pandêmico.

 

Apesar dos órgãos oficiais terem disponibilizados aos bancos a suspensão  de cobrança em contracheque dos valores dos consignados, as referidas instituições (BRADESCO é uma delas), não atendeu as solicitações do cliente provocando ao mesmo gastos acima do limite com consequência um superendividamento com juros altíssimos deixando o cliente em uma situação fora da realidade em seus vencimentos mensais.

covid orientações.jpg

A REVISTA BANCADA NEWS FEZ UMA REPORTAGEM A RESPEITO DA INJUSTIÇA BANCÁRIA AOS MILITARES REFORMADOS E PENSIONISTAS NA GUERRA INJUSTA DOS EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS.

O QUE ERA PARA SER SOLUÇÃO ACABA SE TORNANDO UMA ARMA CONTRA O PRÓPRIO MILITAR QUE AO FINAL ACABA SENDO O  ÚNICO PREJUDICADO. 

UMA TRISTE HISTÓRIA DE SUPERENDIVIDAMENTO

O militar em questão  é veterano desde 2004, quando foi para a reserva por tempo de serviço (30 anos), sem direito a promoção pós reserva, embora como os demais deveria ter sido beneficiado uma vez que estava dentro do direito pela Lei ter sido promulgada quando ele já tinha mais de 20 anos de serviços prestados. 

 

Por conseguinte, os empréstimos consignados só aumentaram uma vez que as reposições salariais sempre foram abaixo da inflação e da cesta básica, obrigando militares a recorrerem cada vez mais aos empréstimos consignados.

 

Com a pandemia e o descumprimento dos bancos na salvaguarda dos direitos de congelamento dos descontos consignados, militares endividados estão praticamente sendo pedintes de filhos, parentes e amigos, uma vez que continuam sem aumento e reajustes salariais. 

CLICK NO LINK DO PDF E TENHA ACESSO AO DOCUMENTO ENVIADO AO SENADO FEDERAL

P2.png

ALGUMAS PROFISSÕES PERMITEM UMA ATIVIDADE EXTRA MARINHA NA RESERVA OU REFORMA, PORÉM A GRANDE MAIORIA TEM UTILIDADE APENAS NOS ÓRGÃOS MILITARES. FORA DO ÂMBITO MILITAR OS VETERANOS FICAM A MERCÊ EXCLUSIVA DOS SEUS SOLDOS.

O endividamento de um militar se dá não porque deseja, mais pela necessidade. As FFAA com exceção da Lei 13.954 onde os generais e o pessoal da ativa foram beneficiados com altos valores, deixou uma herança maldita de descaso aos militares veteranos que por não terem voz nas casernas e muito menos no seio legislativo, seguiu a mingua e a deriva sem quem os socorresse após tantos anos de serviços prestados a nação brasileira.

O APELO AO SENADO FEDERAL

Cansado de ver os militares tentando a porta das autoridades competentes a busca por ajuda o militar em questão elaborou um documento oficial e como vice líder do Grupo Lideranças Regionais, enviou copia aos 84 senadores da república na esperança de um Projeto de Lei que vise um maior amparo aos militares das Forças Armadas. 

 

A intenção é efetuar a mesma solicitação aos deputados federais. Atualmente, o LID REG já efetuou solicitações a respeito dos direitos do PASEP e dos 28,86% integrados aos contra cheques mais ainda não existe uma lei que regule a questão dos militares veteranos e os da reserva bem como das pensionistas no que tange a seus direitos quando vão para a reserva e posteriormente reforma exceto os já pré estabelecidos na carreira militar. 

VETERANOS SENTEM O PESO DA COBRANÇA

O que era para ser uma velhice tranquila, para muitos militares esta sendo o lado reverso da moeda. A questão dos endividamentos, somados aos riscos atuais de saúde entre outros atributos (impostos e obrigações sociais),esta levando muitos militares aos médicos com problemas que não ocorrem quando na ativa.

Militares tem sofrido problemas com DEPRESSÃO, DIABETES e muitos CARDIOPATAS, todas consideradas doenças graves os tornando suceptíveis a cirurgias graves como AMPUTAÇÕES e de CORAÇÃO quando muitos também são levados ao SUICÍDIO.

A maioria vem de sofrimentos psicológicos movidos por questões meramente financeira, pois nem todos estão preparados para desenvolverem uma atividade profissional externa.